segunda-feira, 29 de julho de 2013

Casamento de Luana Piovani & Scooby

Luana publicou hoje pela manhã a foto do seu casamento no facebook:


Ela escreveu:"Depois do meu final de semana em familia,cercada de amigos que muito amo, posso dizer que felicidade é a gente que faz!! As escolhas são as grandes responsáveis por tudo em nossa vida, então saiba fazer as suas para que você possa ter uma vida digna e feliz. Eu tenho saúde. O resto todo eu invento, desejo, conquisto e divido, pois só assim pra multiplicar".



Luana e Scooby se casaram na ultima sexta-feira, na Casa das Canoeas, em São Conrado, no Rio de Janeiro, onde houve uma forte chuva, mas que não estragou o clima de amor no ar, Luana se emocionou na sua entrada, como vocês podem ver na foto! Ela e Scooby estão juntos desde 2011, já moravam juntos e já tem um filhinho de 1 ano mas mesmo assim decidiram fazer uma festa íntima e oficializar a união. Ela está com um vestido lindo, bem estilo dela, e descalça (ou de rasteirinha?) e ele, de terno e  tênis. Acho que o melhor do casamento é não perder sua identidade por conta da festa. E Luana provou que isso é possível. Só pelo vestido e seu penteado (que ficou muito lindo) nós podemos ver isso!

Fonte: O Fuxico/Terra/Revista Quem

E aí, gostaram da vibe do casório?

Beijinhos!

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Detalhe Importante!

Bom dia, bom dia!!

Hoje quero falar de um assunto que é de interesse a todas nós, mulheres, e também as noivinhas que se preocupam em fechar todos os profissionais com antecedência, checar novidades sobre casamento online e esquecem de um assunto super importante: ANTICONCEPCIONAL.

Já me contaram que teve noiva casando menstruada porque esqueceu completamente desse detalhe no casamento! Comoéisso???? Sem contar com a prevenção, porque acredito eu, que a grande maioria das noivinhas não pretende engravidar na Lua de Mel, não é?

Vá a sua ginecologista com antecedência e peça ao seu noivo para ir também ao urologista. Esses profissionais irão solicitar um check up pré nupcial que são exames de sangue, espermograma, avaliação genética etc. Converse com sua ginecologista sobre o anticoncepcional que você usa e se você não usa nenhum, é bom procurar logo seu médico (pelo menos uns 3 meses antes) para ser receitado o anticoncepcional e você ir se adaptando a ele.

Dá uma olhada nos tipos de anticoncepcionais que existe no mercado, lembrando que nenhum dele previne doenças sexuais como faz a camisinha, tá?

Pílula oral

Tem maior variedade de dosagens e composições. Toma-se um comprimido por dia, sempre no mesmo horário, por 21 dias seguidos. Na semana de pausa, a mulher menstrua.
Vantagens: existem vários tipos de pílula, com diferentes dosagens de hormônios. Se a mulher não se der bem com uma, consegue substituí-la.
Desvantagens: pode causar cefaléia, enxaqueca, dores nas mamas, secura vaginal, diminuição da libido, aumento da pressão arterial, náusea, ganho ou perda de peso, alterações no humor, acne e sangramento irregular. E se você é esquecida como eu, pode ficar esquecendo de tomar todos os dias!

Injetável mensal e trimestral

O tipo mensal é indicado para quem tem náuseas, distúrbios intestinais e intolerância gástrica às pílulas orais. Ideal para quem faz uso de outra medicação que possa diminuir a absorção por via oral. A trimestral apresenta menor contraindicação para quem tem problemas cardiovasculares, já que não contém estrogênio. Mas pode levar a ganho de peso e dificultar a gravidez quando você parar o tratamento.
Vantagens: mantém a menstruação regular. Ministrada uma vez por mês, é ideal para quem esquece de tomar a pílula.
Desvantagens: pode causar aumento da pressão arterial, tontura, náuseas e vômitos.

Adesivo transdérmico

É colocado na pele, que passa a absorver os hormônios. Como cada adesivo dura uma semana, são feitas três trocas seguidas pela própria paciente. Na quarta semana, há uma pausa para a menstruação, e o ciclo recomeça. É usado por mulheres que têm intolerância gástrica à pílula e contraindicada para quem tem trombose ou doenças coronarianas.
Vantagens: não provoca efeitos colaterais e é trocado somente uma vez por semana, sendo uma boa opção para pessoas que esquecem freqüentemente de tomar a pílula.
Desvantagens: pode desgrudar da pele, comprometendo sua eficiência.

Pílula de progesterona/Minipílula

A Minipílula nada mais é do que uma pílula composta apenas por um tipo de hormônio, um fármaco derivado da progesterona. Assim, não teria os efeitos as vezes temidos do estrógeno, mas também não consegue inibir a ovulação. Seu mecanismo de ação, assim, se resume a criar dificuldades para o encontro entre o espermatozóide e o óvulo. É ideal para quem tem intolerância ao estrogênio. Suspende o fluxo menstrual e alivia cólicas, mas pode provocar retenção de líquidos. Tem eficácia menor do que a das pílulas comuns por ser composta de progesterona em baixa dose. É mais recomendada para mulheres que tiveram filho e ainda estiverem amamentando.

Anel vaginal

Indicado para quem tem enjoo ou dor de cabeça com a pílula oral. É colocado no fundo da vagina e mantido no local por três semanas - tempo em que permanece liberando hormônios. Depois disso a mulher menstrua.
Vantagens: os hormônios entram diretamente na circulação, evitando alguns efeitos colaterais desagradáveis como acne, cefaléia, aumento de peso e dor nas mamas como ocorre com a pílula. Aplicado uma vez ao mês, é indicado para pessoas que esquecem freqüentemente de tomar o contraceptivo oral (meu caso!). Não interfere em nada na relação sexual.
Desvantagens: pode aumentar um pouco a secreção vaginal, pois necessita de alguma manipulação para ser inserido.

Implante subdérmico

Libera progesterona, tem duração de três anos e é inserido sob a pele. Indicado para mulheres que amamentam ou têm endometriose. Pode levar a ganho de peso e provocar acne.
Vantagens: Além da alta eficiência (o risco de gravidez é de apenas 0,05%), interrompe a menstruação, as cólicas e a tensão pré-menstrual (TPM)
Desvantagens: Para retirar o implante, é preciso fazer uma pequena cirurgia

DIU (Dispositivo Intrauterino) com progesterona

Com duração de cinco anos, alivia cólica e é indicado para quem tem endometriose ou muito sangramento na menstruação. Já o DIU de cobre, com duração de três anos e meio a 10 anos, deve ser evitado por mulheres com cólicas ou fluxo abundante, já que pode agravar os sintomas.
Vantagens: geralmente o fluxo menstrual diminui ou desaparece. O produto só é trocado a cada cinco anos e está liberado para quem amamenta.
Desvantagens: pode causar acne, cefaléia, aumento de peso, endurecimento e dor nas mamas.


Além de todos esses métodos, existe o diafragma (camisinha feminina) e a camisinha que todos conhecem.
Se você ainda não faz uso de anticoncepcional, espero que esse post tenha explicado um pouco de cada método e que, junto com a sua ginecologista, você escolha o que melhor se identifica!

Fonte: MdeMulher e Mais Equilíbrio
Imagens: Google

Beijinhos!!!